Informamos que terminou no dia 15 de setembro de 2020 o prazo para pedido de extensão da Moratória ASFAC até 31 de dezembro de 2020. Assim, para os Beneficiários que não requereram expressamente a extensão do prazo nos termos previstos, os efeitos da Moratória ASFAC terminarão automaticamente na data inicialmente prevista, ou seja, 30 de setembro de 2020.

Informação sobre Moratórias

 

» Adenda Moratória Privada Bankinter – ASFAC, Associação de Instituições de Crédito Especializado. Informação relevante até 15 de setembro de 2020.
Para os Créditos Consumer Finance. Consulte aqui (PDF).
IMPORTANTE: Consulte no seu extrato de conta se o seu crédito é Bankinter Consumer Finance ou Bankinter.

» Moratória Privada Bankinter – ASFAC, Associação de Instituições de Crédito Especializado. Informação relevante até 30 de junho de 2020.
Para os Créditos Bankinter Consumer Finance.

» Moratória Privada Bankinter – Associação Portuguesa de Bancos
Apenas para os Créditos Pessoais Bankinter.

 

 

 

Adenda à Moratória Privada Bankinter – ASFAC, Associação de Instituições de Crédito Especializado - Informação relevante até 15 de setembro de 2020

A Moratória Privada da ASFAC - Associação de Instituições de Crédito Especializado, à qual aderiu o Bankinter Consumer Finance, na sua versão inicial prevê um período de vigência até ao dia 30 de setembro de 2020, data até à qual se verifica a suspensão da cobrança total ou parcial das prestações, conforme aplicável.

No entanto, foi definido um aditamento à Moratória Privada da ASFAC - Associação de Instituições de Crédito Especializado (Consulte aqui), o qual permite que a Moratória ASFAC vigore até dia 31 de dezembro de 2020.
 

O que significa este aditamento?

As moratórias ASFAC em vigor na presente data a que os beneficiários tenham aderido até dia 30 de junho de 2020, e que desde já saibam que manterão a sua situação de dificuldade financeira após 30 de setembro, poderão estender a mesma até 31 de dezembro de 2020.

Que condições de acesso têm de ser cumpridas?

Para que o Beneficiário da Moratória ASFAC aceda à extensão do prazo para dia 31 de dezembro de 2020, deverá requerer expressamente essa extensão até dia 15 de setembro de 2020, desde que já saiba que manterá a sua situação de dificuldade financeira, por estar, ou o seu cônjuge ou equivalente, de acordo com Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de março, numa das seguintes situações:
a) Em isolamento profilático ou
b) A prestar assistência a filhos ou netos ou
c) Ter sido colocado em redução do período normal de trabalho ou em suspensão do contrato de trabalho ou
d) Estar em situação de desemprego registado no Instituto de Emprego e Formação Profissional ou
e) Ser trabalhador elegível para o apoio extraordinário à redução da atividade económica de trabalhador independente ou
f) Ser trabalhador de entidades cujo estabelecimento ou atividade foi objeto de encerramento determinado durante o período de estado de emergência.

Como é efetuada a adesão à extensão da Moratória ASFAC?

Todos os Beneficiários de Moratória ASFAC na presente data, vão receber uma comunicação por email/carta com toda a informação sobre as condições de adesão a esta extensão. De acordo com o procedimento, os Beneficiários terão que responder a um SMS que será enviado para o seu telemóvel, com a palavra “SIM”, declarando desta forma, e expressamente, que adere à prorrogação por manter as dificuldades financeiras, ou com a palavra “NAO”, caso não pretenda a extensão da Moratória.

Se não receber o SMS até dia 31 de agosto de 2020, deverá contactar-nos através do número 707 50 50 50, para que lhe seja enviado novo SMS.

Para os Beneficiários que não respondam a este SMS, requerendo expressamente a extensão do prazo nos termos previstos, os efeitos da Moratória ASFAC terminarão automaticamente na data inicialmente prevista, ou seja, 30 de setembro de 2020.

Quais os impactos da extensão da Moratória ASFAC?

Durante o período em que perdurar a extensão da Moratória ASFAC, a medida a aplicar ao Beneficiário (forma de suspensão do pagamento) será a mesma que vigora no modelo atualmente aplicado. Os contratos que tenham sido objeto de extensão do seu prazo inicial, por força da opção escolhida, verão o seu prazo novamente aumentado, em função do novo período estendido, bem como com a medida de suspensão que lhe tenha sido aplicada.

Para outras informações contacte o seu Gestor ou Agência.
 

Moratória Privada Bankinter – ASFAC, Associação de Instituições de Crédito Especializado

O Bankinter Consumer Finance aderiu à Moratória Privada da ASFAC - Associação de Instituições de Crédito Especializado, adotando medidas excecionais de apoio e proteção de famílias resultantes dos impactos financeiros decorrentes da pandemia da doença COVID-19.
As medidas pretendem atenuar os efeitos económicos causados pela pandemia, criando condições de alívio financeiro às famílias afetadas, com carácter temporário, que sejam titulares de operações de financiamento (Crédito Pessoal e/ou Cartões de Crédito), sendo complementar e com características similares à moratória pública aprovada para efeitos de Crédito à Habitação. 

 

Quais os benefícios da Moratória?

Crédito Pessoal:

Aos clientes elegíveis que solicitem adesão à Moratória Privada ASFAC aplicar-se-á a suspensão (carência) de capital ou a suspensão de capital, encargos e juros, com capitalização destes últimos, até dia 30 de setembro de 2020 ou outra data anterior à escolha do cliente.

Caso a escolha seja a suspensão (carência) de capital e juros, até 30.09.2020, com capitalização dos juros (excluindo eventuais comissões e prémios de seguro ou outros encargos que componham a mensalidade) podendo o alargamento do prazo:
- manter-se por período idêntico ao da suspensão. Neste caso o encargo mensal será ampliado por via da capitalização de juros e impostos;
- ser superior a 30.09.2020 ou seja pelo período necessário para não ampliar encargo mensal, sendo igualmente prolongados todos os elementos associados aos contratos abrangidos pela medida, incluindo garantias.

OU

Caso a escolha seja a suspensão (carência) de capital, até 30.09.2020 e alargamento do prazo por um período idêntico ao da suspensão, serão igualmente prolongados todos os elementos associados aos contratos abrangidos pela medida, incluindo garantias. Neste caso o encargo mensal não será ampliado.

Cartões de Crédito:

Aos clientes elegíveis e que solicitem adesão à Moratória Privada aplicar-se-á a suspensão (carência) de capital e juros, com capitalização destes últimos, ou apenas a suspensão (carência) de capital, até dia 30 de setembro de 2020 ou outra data anterior à escolha do cliente.


a) A aplicação das condições da Moratória não dá origem a qualquer: 
Incumprimento contratual, e; 
b) Ativação de cláusulas de vencimento antecipado.

 

Que condições de acesso têm de ser cumpridas?

- Ter contrato anterior a 18 de março de 2020;
- Que à mesma data não estivessem em mora ou incumprimento das condições pecuniárias há mais de 90 dias, ou em insolvência, suspensão, cessação de pagamentos ou, mesmo, em execução dos mesmos;
- Que estejam, ou o seu cônjuge ou equivalente, de acordo com Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de março, numa das seguintes situações:
   a) Em isolamento profilático ou
   b) A prestar assistência a filhos ou netos ou 
   c) Ter sido colocado em redução do período normal de trabalho ou em suspensão do contrato de trabalho ou
   d) Estar em situação de desemprego registado no Instituto de Emprego e Formação Profissional ou 
   e) Ser trabalhador elegível para o apoio extraordinário à redução da atividade económica de trabalhador independente ou
   f) Ser trabalhador de entidades cujo estabelecimento ou atividade foi objeto de encerramento determinado durante o período de estado de emergência.

Para os créditos elegíveis o acesso à moratória é possível até 30 de junho de 2020.

 

 

O que é necessário para aderir?

Para aderir deve:
- Preencher a Declaração de Adesão ;
- Enviar o formulário para moratoria.bkcf.pt@bankinter.com .

Importante: Deve preencher os dados diretamente no documento PDF, não sendo necessário digitalizar nem assinar nesta fase. Depois de preenchida a declaração, só tem que gravar e anexar ao email.

Após a receção da documentação, o Bankinter Consumer Finance procederá à sua validação, sendo o processo finalizado de forma digital, sem precisar sair de casa. Enviaremos comunicação com informação sobre o estado/decisão do seu pedido.
 

Quanto tempo demora a obtenção de uma resposta?

Uma vez analisado o pedido, receberá uma mensagem para proceder à Assinatura Digital do mesmo. As condições aplicam-se no prazo máximo de 8 dias uteis após a receção do pedido de adesão, caso se verifique o preenchimento das condições de acesso.

Os dados recolhidos na Declaração de Adesão, bem como a informação coligida junto de bases de dados de terceiros para efeitos da sua corroboração, sendo que a mesma se justifique, destinam-se a permitir a análise da Moratória, nos termos dos critérios de acesso à mesma, viabilizando as alterações necessárias aos termos da relação contratual, entendendo-se como condição de legitimidade do tratamento: cumprimento de obrigação legal e execução de contrato

Para outras informações contacte o seu Gestor ou Agência.

 

 

 

Moratória Privada Bankinter – Associação Portuguesa de Bancos

Apenas para os Créditos Pessoais Bankinter

Adesão cessou a 30 de setembro de 2020

Quem pode beneficiar?

Podem beneficiar da moratória, as Pessoas Singulares (incluindo ENI’s – Empresários em Nome Individual) que cumpram cumulativamente as seguintes condições:

a) Devedoras de operações de crédito contratadas junto de uma Instituição aderente;
e
b) Que não estejam, a 18 de março de 2020, em mora ou incumprimento de prestações pecuniárias há mais de 90 dias do crédito em causa junto da Instituição, ou estando não cumpram o critério de materialidade previsto no Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2019 e no Regulamento (UE) 2018/1845 do Banco Central Europeu, de 21 de novembro de 2018, e relativamente às quais não seja do conhecimento da Instituição que se encontrem em situação de insolvência, ou suspensão ou cessação de pagamentos, ou que naquela data estejam já em execução junto da própria Instituição.


Que condições de acesso têm de ser cumpridas? 

É necessário cumprir pelo menos uma das seguintes condições de acesso:

- Estejam em situação de isolamento profilático ou de doença;
- Prestem assistência a filhos ou netos conforme Decreto-Lei n.º 10 -A/2020, de 13 de março;
- Estejam colocados em redução do período normal de trabalho ou em suspensão do contrato de trabalho, em virtude crise empresarial;
- Estejam em situação de desemprego registado no Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P.
- Sejam trabalhadores elegíveis para apoio extraordinário à redução da atividade económica de trabalhador independente, nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 10 -A/2020, de 13 de março;
- Sejam trabalhadores de entidades cujo estabelecimento ou atividade foi objeto de encerramento determinado durante o período de estado de emergência ou durante a situação de calamidade por imposição legal ou administrativa;
- Ter(em), de acordo com declaração do devedor, sofrido uma redução temporária de rendimentos, pelo menos, 20 % do rendimento global do respetivo agregado familiar em consequência da pandemia da doença COVID-19.

As condições acima referidas apenas têm de ser cumpridas por um dos mutuários ou por um dos elementos do agregado familiar.

 

Que empréstimos estão abrangidos pela Moratória?

São elegíveis para aplicação desta moratória as operações de crédito com a natureza aqui descrita contratadas até 26 de março de 2020.

Para os créditos elegíveis o acesso à moratória é possível até 30 de setembro de 2020.

Estão ao abrigo da Moratória Privada Bankinter os empréstimos de Crédito Pessoal ao abrigo do Crédito ao Consumo, contratados com Bankinter, cujo montante inicial de crédito seja inferior ou igual a 75.000€, celebrados com pessoas residentes ou não residentes, com fins comerciais ou profissionais.

 

Quais os benefícios da Moratória?

Existem 2 modalidades disponíveis para créditos com reembolso de acordo com plano prestacional, pelas quais o Cliente pode optar: 

a) Durante 12 meses, contados a partir da data de contratação da Moratória, não são pagas prestações, isto é, não existe qualquer pagamento de capital ou juros. Para adesões à Moratória posteriores a 30 de junho de 2020, aplica-se até 30 de junho de 2021. Durante esse período, os juros, apesar de não serem pagos, serão contabilizados pelo Banco e acrescidos mensalmente ao capital em dívida. Isolando efeitos da variação da taxa de juro, o valor da prestação subsequente à Moratória será superior ao valor anterior, uma vez que o capital em dívida sofreu um acréscimo correspondente aos juros capitalizados.

b) Durante 12 meses, contados a partir da data de contratação da Moratória, as prestações pagas são compostas apenas de juros. Para adesões à Moratória posteriores a 30 de junho de 2020, aplica-se até 30 de junho de 2021.

Cumulativamente com a suspensão do pagamento de prestação ou pagamento apenas de juros, o prazo do empréstimo é alargado por igual período. Por exemplo, se for suspenso o pagamento de 8 prestações, o prazo total do empréstimo terá um acréscimo de 8 meses.

Com o referido alargamento do prazo, pelo período previsto para a duração da Moratória, verifica-se igualmente a respetiva extensão nos mesmos termos, de todos os seus elementos associados, designadamente juros e garantias financeiras, reais ou pessoais. 

O Banco fica habilitado a cobrar os demais encargos, contratualmente previstos, como por exemplo, comissões bancárias e prémios de seguro. 

No caso de moratória contratada até 30 de junho de 2020, os benefícios da mesma verificam-se nos 12 meses contados da data da contratação pelo cliente da moratória. No caso de moratória contratada posteriormente a 30 de junho de 2020, os benefícios da mesma verificam-se até 30 de junho de 2021.

A alteração do prazo do contrato ou suspensão do pagamento de prestações ou capital, não dá origem a qualquer: 

a) Incumprimento contratual, e; 
b) Ativação de cláusulas de vencimento antecipado.
 

Quanto tempo demora a obtenção de uma resposta?

No caso de aceitação do pedido de adesão, o Bankinter aplica as condições da moratória no prazo de 5 dias úteis a contar da data de receção da documentação exigida desde que adequadamente satisfeitas todas as condições de que depende a sua atribuição, com efeitos a essa mesma data.

No caso de não aceitação por incumprimento dos critérios de acesso, o Bankinter informa o Cliente no prazo de 3 dias úteis a contar da data de receção da documentação exigida.

Na sequência da receção do Pedido de Adesão e Declaração, o Bankinter remete ao Cliente Carta de Aceitação, Carta de Recusa ou Carta de Pedido de Informações Adicionais, consoante aplicável, via e-mail, ou assegura entrega presencialmente numa Agência Bankinter.
 

Como posso aderir à Moratória?

Adesão cessou a 30 de setembro de 2020
 

Para outras informações contacte o seu Gestor ou Agência.